Objetivo Específico da Aula

O Custeio por Absorção é muito importante para os contadores, pois as empresas são obrigadas a apresentar suas demonstrações para o “fisco”, utilizando-se desse critério.

O objetivo desta aula é reforçar alguns conceitos já vistos em aulas anteriores e familiarizar o aluno com o assunto e com os cálculos de rateio necessários para o processo de acumulação de custos.

Tenha uma ótima aula!

Habilidades e Atitudes

1 – Aplicar os conceitos vistos nas aulas anteriores para classificar os custos.
2 – Identificar custos e despesas, relacionando aos departamentos e produtos.

Custeio por Absorção - Aula 05

Custeio por Absorção

Conceito

O Custeio por Absorção consiste na apropriação de todos os custos (sejam eles fixos ou variáveis, diretos ou indiretos) à produção do período. Os gastos que não são efetuados para a produção (despesas) são excluídos.

- A distinção principal no custeio por absorção é entre custos e despesas. Essa separação é importante porque as despesas são contabilizadas imediatamente contra o resultado do período.
- Somente os custos relativos aos produtos vendidos terão o mesmo tratamento.

Importância da distinção entre custos e despesas:

Suponhamos uma empresa que tenha fabricado 1.000 unidades de um determinado produto, incorrendo em custos de R$ 9.000,00 e despesas operacionais de R$ 3.000,00. Foram vendidas 800 unidades a R$ 20,00 cada. Dessas informações, concluímos:

Custo Unitário Médio de Cada Produto Fabricado: R$ 9.000/1.000 unidades = R$ 9,00 /unidade.

Assim, teremos a seguinte DRE para o período considerado:



Importância da distinção entre custos e despesas:

Suponhamos, no entanto, que um custo de R$ 1.000,00 tivesse sido erroneamente classificado como despesa. Daí, teríamos:

Uma diminuição do Custo Unitário Médio de Cada Produto Fabricado: R$ 8.000/1.000 unidades = R$ 8,00 /unidade;

E um aumento das despesas operacionais para R$ 4.000,00.

Assim, teremos uma nova DRE para o período considerado:



Quanto à Legislação e aos Princípios Contábeis

É o único aceito pelo Imposto de Renda e pela Auditoria Externa, por atender aos seguintes princípios contábeis:

Princípio da Realização da Receita: Ocorre a realização da receita quando da transferência do bem vendido para terceiros;

Princípio da Confrontação: As despesas devem ser reconhecidas à medida que são realizadas as receitas que ajudam a gerar (direta ou indiretamente);

Princípio da Competência: As despesas e receitas devem ser reconhecidas nos períodos a que competirem, ou seja, no período em que ocorrer o seu fato gerador.

APURAÇÃO

Segue o esquema básico:
- Separação de custos e despesas;
- Apropriação dos custos diretos e indiretos à produção realizada no período;
- Apuração do custo dos produtos em elaboração;
- Apuração do custo da produção acabada;
- Apuração do custo dos produtos vendidos;
- Apuração dos resultados.

Ex.: A empresa Alfa apurou, em determinado período, os seguintes Custos de Produção:



Exemplo

Como a empresa produziu 7.000 unidades de seu único produto, temos que:

Custo Unitário Produção = R$ 210.000/7.000 unidades = R$ 30,00 / unidade

Como a empresa vendeu 5.000 dessas unidades, temos que:

Custo dos Produtos Vendidos = 5.000 unidades x R$ 30,00 = R$ 150.000

Ex.: Paralelamente, a empresa Alfa apurou as seguintes despesas no mesmo mês:



Como o preço de venda de cada unidade foi de R$ 75,00, temos que:

Receita de Vendas = 5.000 unidades x R$ 75,00 = R$ 375.000,00

Exemplo

Com base nesses dados, podemos montar a DRE da empresa:



Note que, conforme já demonstrado, a correta utilização desse método pressupõe uma precisa diferenciação entre custos e despesas, sob pena de se proceder a uma apuração imprecisa dos resultados da empresa.

Exercício 1

A empresa Sophia Hair produz um único produto (xampu de camomila), que é vendido, em média, por $ 9,50 cada unidade (preço líquido de tributos). Em determinado período, em que não houve estoques iniciais, produziu integralmente 14.000 unidades e incorreu nos seguintes custos e despesas Em R$

Supervisão geral da fábrica 17.000
Depreciação dos equipamentos de fábrica 10.000
Aluguel do galpão industrial 2.400
Administração geral da empresa 8.000
Material direto 2,00 por unidade
Mão-de-obra direta 1,50 por unidade
Energia elétrica consumida na produção 0,40 por unidade
Comissão sobre vendas 0,75 por unidade
Frete para entregar produtos vendidos 0,15 por unidade

Considerando-se que, no final do período, havia 1.000 unidades do produto acabado em estoque e que não houve perdas, pede-se calcular:
a) o Estoque Final dos produtos acabados.
b) o Lucro (ou prejuízo) do período.

Exercício 2

A Empresa Anchieta, produtora de cadernos em Mauá, em determinado período, apresentou os seguintes dados: Em R$

1. Estoque inicial de matéria-prima 5.000
2. Compra de matéria-prima 12.000
3. Despesas administrativas 2.000
4. Despesas financeiras 1.500
5. Despesas comerciais 2.500
6. Estoque inicial de produtos em processo 4.000
7. Mão-de-obra direta 10.000
8. Estoque final de produtos em processo 5.000
9. Custos indiretos de produção 8.000
10. Estoque final de matéria-prima 7.000
11. Estoque inicial de produtos acabados 6.000
12. Venda de 80% do total disponível de produtos acabados por R$ 40.000
Pede-se calcular:
a) o Custo Total de Produção (CPP).
b) o Custo da Produção Acabada (CPA).
c) o Estoque Final de Produtos Acabados.
d) o Custo dos Produtos Vendidos (CPV).
e) o Lucro Bruto.
f) o Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR).

Exercício 3



O tempo de produção requerido por unidade de produto é o seguinte:



Com relação aos custos diretos, sabe-se que:

  ·   a matéria-prima é a mesma para todos os produtos, e o consumo se faz na mesma proporção: 1Kg de MP para cada unidade de produto acabado.
·   as habilidades e os salários dos operários são aproximadamente iguais para todos os produtos;
·   o consumo de energia elétrica é o mesmo em termos de kwh; por isso, seu custo é diretamente proporcional ao tempo de utilização das máquinas.

Continuação do Exercício 3

Outros dados relativos ao ano de X1:

 

PEDE-SE:
1. Calcular:
a)     o custo total de cada produto;
b)     o custo unitário de cada produto;
c)      o Custo dos Produtos Vendidos no período;
d)     o valor do Estoque Final de Produtos Acabados.

2. Elaborar:
a)     um quadro, demonstrando o custo direto total por produto;
b)     o Mapa de Rateio dos Custos Indiretos de Produção (CIP) dos elementos de custos aos produtos;
c)      a Demonstração de Resultados do período, considerando 30% de Imposto de Renda sobre o lucro;
d)     o Balanço Patrimonial de 31/12/X1.

Síntese

Nesta aula, tratamos do Custeio por absorção, no qual todos os custos, diretos e indiretos, são absorvidos pelos produtos, seja pela mensuração dos custos diretos, seja pelo rateio dos custos indiretos.

PRÓXIMA AULA
Na próxima aula, faremos a contabilização dos custos no custeio por absorção.

Não falte!

Bibliografia

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2005.

LEONE, George S. G. Curso de Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 1997.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9.ed. São Paulo: Atlas, 2003