SISTEMA CÁRDIO-RESPIRATÓRIO

3.2 VASOS SANGUÍNEOS

Ao deixar o coração, o sangue penetra no sistema vascular, constituído por vasos sangüíneos que são encarregados de conduzir o sangue por todo o corpo permitindo as trocas nutritivas, metabólicas, hormonais e outras.

As artérias são vasos centrífugos que partem do coração conduzindo sangue arterial ou venoso, são tubos cilíndricos, elásticos e que resistem a grandes pressões internas.

Em relação ao calibre, as artérias podem ser de grande, médio, pequeno calibre, arteríolas e capilares, se caracterizam por serem vasos elásticos, pois necessitam manter um fluxo sanguíneo constante. Sua porção mais interna é a túnica íntima constituindo o endotélio; a túnica média é formada por fibras musculares e elásticas e a camada mais externa é a adventícia ou túnica externa.

Nas artérias de grande calibre há o predomínio de fibras elásticas ao passo que, nas de médio calibre, as fibras musculares predominam.

No que tange a situação podem ser superficiais e profundas, sendo que as superficiais geralmente provêm de artérias musculares e se destinam a irrigar a pele; a grande maioria das artérias é profunda e ficam situadas nos interstícios musculares e próximos as áreas de junturas.

As artérias emitem ramos que quando se originam lateralmente ao longo do trajeto do vaso são chamados de colaterais, os ramos colaterais podem ainda assumir um trajeto ascendente, sendo, neste caso, chamados de recorrentes. Os ramos terminais aparecem quando o tronco principal deixa de existir. Os ramos que se destinam às vísceras são chamados de viscerais e os que se destinam aos músculos e tecidos são os parietais.

Como regra geral, podemos dizer que cada artéria acompanha uma veia, o que realmente acontece nas artérias de grosso calibre, as de médio e pequeno calibre são acompanhadas por duas veias. Entretanto, há exceções. Como é o caso do cordão umbilical, dorso do pênis, joelho e cotovelo, onde vamos encontrar duas artérias e uma veia. O sistema superficial de veias as torna mais numerosas que as artérias.

Características das artérias nos vivos e nos mortos

ARTÉRIAS NOS VIVOS

ARTÉRIAS NOS MORTOS

Coloração branca rosada.

Coloração esbranquiçada.

Apresentam pulsação.

Quando seccionadas não contém sangue.

Hemorragia em esguicho.

Mantém aberta a luz, após ser secionada.

As veias são vasos centrípetos, independente da qualidade de sangue que conduzem de retorno ao coração. São formadas a partir das vênulas, quando superficiais são subcutâneas e freqüentemente visíveis por transparência, nos membros e pescoço são mais calibrosas, quando profundas estão nos interstícios musculares e podem se comunicar com as superficiais por meio das veias comunicantes.

Os seios são veias que apresentam a parede muito fina, praticamente só com endotélio. Em sua estrutura encontramos as túnicas, interna, média e externa ou adventícia.

Características das veias nos vivos e nos mortos

VEIAS NOS VIVOS

VEIAS NOS MORTOS

Coloração azul escura.

Coloração escura quase preta.

Não possuem pulsação.

Apresentam sangue quando seccionadas.

Sangramento em jorro contínuo.

As paredes ficam colabadas.

Anastomoses é o canal de comunicação existente entre os vasos sanguíneos. As anastomoses arteriais comunicam duas ou mais artérias, sendo de vital importância em órgãos como cérebro e coração, as venosas, em maior número, comunicam duas ou mais veias e as artério-venosas comunicam arteríolas e vênulas.

Uma característica das veias é a presença de válvulas nas paredes, estas possuem uma borda aderente à parede do vaso e outra livre que está sempre voltada para o coração, onde encontramos o seio da válvula que vai impedir o refluxo de sangue, fazendo com que esse progrida de segmento em segmento, as válvulas estão ausentes nas veias do cérebro e em algumas veias do tronco e pescoço.

Os capilares sanguíneos são vasos microscópicos interpostos entre artérias e veias onde se processam as trocas nutritivas, no fígado e baço encontramos capilares mais finos e tortuosos conhecidos como capilares sinusóides.

O sangue transportado por meio dos vasos cumpre dois circuitos, o circuito pulmonar ou pequena circulação que consiste na saída do sangue do ventrículo direito por intermédio do tronco pulmonar, e se divide em artéria pulmonar direita e esquerda até atingir os pulmões onde ocorre à hematose, para depois retornar para o átrio esquerdo por meio das quatro veias pulmonares. No circuito sistêmico ou grande circulação, o sangue sai do ventrículo esquerdo por meio da artéria aorta e vai para todo o organismo a fim de que se processem as trocas nutritivas, retornando ao coração para o átrio direito por intermédio das veias cavas, superior e inferior.

1
1/2