Administração Estratégica
Profa Mônica Cairrão Rodrigues


Os objetivos desta aula são:

- Compreender a importância de se conhecer os fatores críticos de sucesso das organizações no processo de formulação de estratégias;

- Utilizar modelos de apoio à decisão empregados como apoio à formulação de políticas estratégicas ns organizações.

Habilidades e Atitudes

1 - Compreender a identificação dos fatores críticos de sucesso.

2 - Saber como utilizar modelos de apoio à decisão como atividades fundamentais no processo de formulação de estratégias.

Aula 07 – O Processo de Elaboração do Planejamento Estratégico – a Formulação das Estratégias

Na aula anterior, estudamos a construção de cenários.

Nesta aula, iremos refletir juntos sobre a identificação de Fatores Críticos de Sucesso, tendo em vista os modelos de apoio à formulação de estratégias Matriz SWOT e Portifólio McKinzey.

Boa aula, então!

Referência Bibliográfica: CHIAVENATO, Idalberto e SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico. 3a.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, cap 7.


Fatores Críticos de Sucesso

Os fatores críticos de sucesso são as atividades-chave que devem ser realizadas para que a organização efetivamente venha a atingir seus objetivos.

Eles representam os elementos que a empresa já possui ou que precisa vir a possuir, aprimorando-se, inclusive, neste sentido, para competir com sucesso no mercado em que se encontra.

Segundo Chiavenato & Sapiro, existem oito áreas-chave de fatores críticos de sucesso:

1. Posicionamento competitivo: posição em relação aos concorrentes. Um dos objetivos organizacionais deve indicar qual posição a organização deseja atingir em relação aos concorrentes;

2. Inovação: as mudanças a serem realizadas para melhorar os processos e negócios organizacionais;

3. Produtividade: o quanto a empresa produz em relação aos recursos que utiliza;

4. Nível de recursos: quantidades relativas necessárias de recursos como estoque, equipamentos, caixa;

5. Lucratividade: é a capacidade de se gerar mais receita do que despesa. As organizações têm objetivos que indicam o nível de lucratividade desejado;

6. Desenvolvimento e desempenho da gerência: é a qualidade do desempenho administrativo. Sem sombra de dúvidas, este é um fator crítico de sucesso em longo prazo;

7. Desempenho e atitude dos funcionários: representa a cultura organizacional e o sentimento dos funcionários em relação ao seu trabalho;

8. Responsabilidade Social: é o esforço da organização em contribuir para a prosperidade e bem-estar da sociedade, ao mesmo tempo em que se empenha para atingir aos objetivos organizacionais.

Eis alguns elementos que podem se tornar fatores críticos de sucesso, dependendo do tipo de organização analisado:

- Controle de Custos;
- Treinamento/educação continuada dos colaboradores;
- Liderança tecnológica;
- Capital;
- Linha de produtos;
- Diferenciação;
- Liderança no lançamento de novos produtos;
- Controle da produção;
- Logística de distribuição;
- Política de RH;
- Conhecimento da concorrência;
- Reputação e imagem;
- Relacionamento com o cliente/fidelização;
- Localização geográfica;
- Entre outros.

Modelos de apoio à decisão

Após a elaboração do diagnóstico interno e externo, da criação dos cenários futuros e da identificação dos fatores críticos de sucesso, a organização deve iniciar um processo de consolidação destes elementos que representam oportunidades e ameaças, pontos fortes e fracos, a fim de construir uma matriz de apoio à tomada de decisão.

Nesta aula, vamos estudar dois modelos conceituais importantes: a Matriz SWOT e o Portifólio McKinzey.



O objetivo do Modelo SWOT é o de criar uma matriz que cruze as informações levantadas na fase do diagnóstico externo e interno, e que auxilie na identificação de áreas ou de campos de ação a serem priorizados no processo de elaboração das estratégias.

Para isso, são visualizados 4 quadrantes (ou zonas). Veja a figura a seguir como elemento ilustrativo:


Fig. As quatro zonas na matriz SWOT. Fonte: CHIAVENATO, Idalberto e SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, p.188.

Cada quadrante serve como indicador da situação da organização referente às oportunidades e ameaças do ambiente externo, pontos fortes e fracos do ambiente interno.



Exemplos de elementos que podem se constituir em forças, fraquezas, oportunidades e ameaças:



Portifólio de McKinzey Esta metodologia é também conhecida como matriz GE, tendo sido utilizada, primeiramente, pela consultoria McKinzey na GE, nos anos 60 e 70.





Análise dos negócios via Portfólio McKinsey

Os negócios que se localizam nas células de atratividade do setor de capacidade competitiva média para baixa devem receber investimentos seletivos e pontuais. Já, os negócios das células de capacidade competitiva média para alta devem ser o foco das estratégias. Logo, quanto maior a atratividade e a capacidade competitiva da organização, maior deverá ser a atenção estratégica dada ao setor. E quanto menor a atratividade do setor e menor competitividade interna, menos investimentos tais negócios deverão receber.

Síntese

Nesta aula, refletimos a respeito dos modelos de apoio à decisão voltados à elaboração de estratégias.

Na próxima aula, nossa atenção se focará em como garantir com que as estratégias corporativas venham efetivamente a ser incorporadas nos níveis tático e operacional das empresas, por meio do processo da Implementação Estratégica.

Até lá, então!