Objetivo Específico da Aula

Para administrar o capital de giro da empresa, é necessário prestar atenção ao seu endividamento de curto e de longo prazo, pois ela pode ter boa situação financeira, hoje, mas estar comprometida no futuro por altos empréstimos de longo prazo.

O objetivo desta aula é complementar as informações da aula anterior, dando condições de fazer uma boa administração dos recursos financeiros da empresa, equilibrando liquidez e rentabilidade.

Habilidades e Atitudes

1 - Avaliar o endividamento da empresa, fazendo comparações com seu nível histórico de endividamento e com o endividamento do setor de atividade.
2 - Identificar possíveis problemas financeiros no curto e longo prazo.

Índices de Endividamento

Representa quanto a empresa tomou de recursos de terceiros para cada real de capital próprio.

Cálculo:
I.E. = Capital de Terceiros x 100
           Patrimônio Líquido

Lembrando que:
Capital de Terceiros: fonte de recursos originados de agentes que não são sócios da empresa, sendo representado no Balanço Patrimonial pelo Passivo Exigível (curto e longo prazo).

Patrimônio Líquido: fonte de recursos originados pelo Capital Próprio (sócios da empresa).

Interpretação

Quanto menor a dependência de capital de terceiros, melhor a liquidez da empresa e, portanto, menor o seu risco financeiro. Em contrapartida, o endividamento é uma fonte importante de recursos para que a empresa possa manter suas operações ou ampliá-las. Deve-se considerar, também, o custo do capital de terceiros que, em muitos casos, são menores que o custo do capital próprio.

Se este índice for consistente e acentuadamente maior que 1, indicaria uma dependência exagerada de recursos de terceiros. Esse é um sintoma típico das empresas que vão à falência, apresentam alto índice de recursos de terceiros durante um longo período.

Exemplo:



Os índices mostram que, em 2004, para cada R$ 100 de Capital Próprio, a empresa tomou R$ 140,91 de Capitais de Terceiros e, em 2005, para cada R$ 100 de Capital Próprio, tomou R$ 173,61 de terceiros. A Cia. "X" tornou-se ainda mais dependente de Capitais de Terceiros em 2005.

Participação de Capitais de Terceiros sobre os Recursos Totais

CT/RT = Exigível Total
               Ativo Total

  Indica a porcentagem de capitais de terceiros sobre o investimento total da empresa. Essa porcentagem não pode ser significativamente alta no longo prazo, pois elevaria, demasiadamente, as despesas financeiras, prejudicando a rentabilidade da empresa.

  A manutenção de um índice alto em longo prazo somente seria possível se a taxa de retorno fosse maior que a taxa de juros média sobre o endividamento.

Exemplo:



  Esta é outra forma de identificar o endividamento da empresa. Em 2004, a Cia "X" financiou seu investimento com 58,49% de Recursos de Terceiros e, em 2005, aumentou esse percentual para 63,45%.

Participação das Dívidas de Curto Prazo no Endividamento Total

P.D.C.P. = Passivo Circulante
                  Exigível Total

  É um importante índice para medir o comprometimento da empresa no curto prazo, pois representa a composição do endividamento total, ou seja, a parcela da dívida que vence no curto prazo.

Se a empresa está sendo financiada com recursos de longo prazo, à medida que ela ganha capacidade operacional espera-se que tenha condições de começar a amortizar suas dívidas.

Exemplo:



O perfil da dívida melhorou de 2004 para 2005. No primeiro ano, as dívidas de curto prazo representavam 35,48% do endividamento da empresa, passando a 20% no último ano.

Outros índices utilizados pelos analistas

· Dívida / valor econômico: relação entre a dívida da empresa e seu valor econômico (valor das ações no mercado, mais endividamento líquido). A vantagem deste indicador sobre o anterior é que não considera um dado contábil (caso do patrimônio líquido), mas a avaliação atual da empresa no mercado. É um bom indicador de avaliação de nível de endividamento.

  · Cobertura de despesas financeiras: relação entre o serviço da dívida (despesas financeiras e pagamento do principal) e o lucro antes das despesas financeiras. Este indicador mostra o fôlego da empresa para pagar suas dívidas. Quanto maior o número, mais confortável está a empresa para pagar seus compromissos.



Atividade

Cia."X" - Balanço Patrimonial - 2004/2005



Com base nos dados apresentados, calcular os índices de liquidez e endividamento para 2004 e 2005, fazendo comparações e emitindo sua opinião, considerando que a Cia. "X" pertence ao setor de alimentos.

Síntese

Nesta aula, estudamos os principais índices de endividamento e analisamos suas relações com a liquidez e a rentabilidade da empresa. Apresentamos, também, a média de endividamento para alguns ramos de atividade para os anos 2004 e 2005. Com essas informações, você pode calcular os índices de endividamento de qualquer empresa, comparar com os índices do setor e tirar algumas conclusões sobre sua situação financeira.

PRÓXIMA AULA:

Na próxima aula, estudaremos, com mais detalhes, os índices de atividade que fornecem importantes informações para subsidiar a análise das demonstrações financeiras.

Bibliografia

MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços - Abordagem Básica e Gerencial. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1997.

MARION, José Carlos ; IUDÍCIBUS, Sérgio de. Análise de Balanços. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1998.